Certa vez conheci uma família que amavam comemorar as vitórias dos filhos. Quem não ama, né? E não há nada de errado nisso. Eu também amo um ritual de comemoração. Lá em casa, desde sempre, todos os eventos esportivos terminavam em festa. Independente do resultado sempre rolava uma comemoração no final.

O ruim, na minha opinião, é quando a família só comemora a vitória e silencia as derrotas. Quando silenciamos aqueles momentos em que nossos filhos não se destacaram com receio de magoá-los podemos atrapalhar ainda mais o processo de aprendizagem e evolução deles.

Quando digo “comemorar qualquer resultado”, não estou sugerindo sair por aí feliz porque o filho perdeu. A ideia é criar um compromisso com a criança, Independente de ganhar ou perder, vamos sair para comemorar a decisão de participar, de ir e dar o melhor.

E assim criamos um ambiente amigável para o diálogo. Naturalmente podemos conversar sobre o que aconteceu e ajudar nossos filhos a lidar com aqueles sentimentos, falar sobre postura, comportamento, sobre o ponto de vista deles do que deu errado, como poderia ter feito melhor e o que podem fazer para que da próxima vez tenham chances de melhorar.

Parece simples, né? É só bater um papo e pronto. Mas muitas das vezes não é tão simples assim. A criança fica chateada achando que é ruim demais, envergonhada pela derrota, não quer falar sobre o que aconteceu, fica retraída e muitas vezes já pensam em desistir do esporte, pois acham que não são boas o suficiente.

Atitude e gestos que fazem mal

Sabe aquela família que só comemora a vitória? Então, os filhos desistiram do esporte. Cada vez mais comum acontecerem casos assim. Mas por que?

Eu não sou psicóloga, mas com 3 filhos criados no mundo do esporte já deu pra sentir o que funciona e o que não funciona por aqui. Além de observar o que acontece ao nosso redor, com outras famílias inclusive.

As crianças vão para uma competição tensa, com aquele frio na barriga. Lógico que elas esperam vencer. Todos querem ganhar, fazer bonito né mesmo? Mas é importante mostrar para eles o grande feito e a coragem gigante que eles tiveram de se inscrever e ir. Tem tantas outras crianças que não querem se expor, não querem ser vistos e preferem um computador, celular, video game e netflix….

Só de pensar em ir para competição e correr o risco de não ganhar gera grande frustação, vergonha dos amigos, de decepcionar os pais. Sim, existe muito isso! Aquela família que só postava vitórias, implicitamente dizia para os filhos que só a vitória vale a pena.

E isso tudo junto e misturado resulta na desistência do esporte. Principalmente quando os responsáveis valorizam tanto a vitória.

Comemore qualquer evolução!

Por isso que independente de qualquer resultado precisamos comemorar! Nossas crianças tiveram a grande audácia de estar ali, no meio dos holofotes e se expor. E acreditem isso não é pra qualquer um. Nos dias atuais é um enorme feito sair de trás das telas dos celulares e isso precisa ser comemorado.

Se a criança ganhou, tá tudo perfeito! Um momento de comemoração pós-competição é legal para conversar sobre atitudes boas e até as ruins. Pontuar um detalhe ou outro, mostrar a importância de ser respeitoso com o adversário, sempre! Saber a opinião da criança,

Se a criança perde é preciso dar o tempo dela! Deixe ela pensar, chorar se precisar e sejamos apenas o apoio, mostre que está ali pro que der e vier. Depois vamos ao ritual! Sair comer algo e conversar! Perguntar como se sentiu, o que achou que deu errado, o que poderia ter sido feito melhor. Deixar a criança falar. Incentive o treinamento como motor para melhoria constante. A pratica, além de saudável faz a criança evoluir e interagir com outras crianças no mundo real.

Jamais ser um daqueles responsáveis que ficam procurando culpados para os resultados ruins dos filhos, do tipo: “Foi o árbitro, se não fosse aquela falta, o fulano roubou, marcou errado etc e tal”. Pra piorar ainda mais a situação, tem os responsáveis que berram e envergonham os filhos, xingando, gritando, gesticulando. Isso jamais!

Nunca desista de incentivar

Neste final de semana minha Alice participou da ComaryCup, na Categoria Sub12 de futebol7. Foram inscritos 12 times e mais de 100 crianças. O formato da competição era 3 jogos classificatórios na parte da manhã e os 6 melhores times jogariam as semi-finais e as finais das séries Ouro, Prata e Bronze na parte da tarde.

O time dela foi classificado para a final da série Bronze a tarde e perdeu a final recebendo o troféu de Vice-Campeão. Adivinhem o que aconteceu?

Ela ficou super triste e nem quis tirar foto com o troféu, dizendo que não valia muito, pois ficaram em 6º lugar! Imaginem só como ela reduziu todo esforço dela e do time em “NADA”. Aí nosso papel é mostrar a importância daquele troféu! Então saímos para comemorar e conversar.

É fato que os 6 times desclassificados na parte da manhã com certeza gostariam de estar ali disputando as finais! Que muitas outras crianças gostariam de estar ali e não estavam, seja por falta de recursos, tempo, transporte ou simplesmente por não ter um time pra jogar. Que ela e uma outra menina era as únicas que estavam tendo a oportunidade de jogar num campeonato bacana e bem organizado, quase que só de meninos.

Sem tirar o fato do sacrifício que todos fizemos de ir para Teresópolis e ela ter dado o melhor dela em 5 jogos de 40 minutos cada, num sol de rachar em Teresópolis. Então é preciso se orgulhar! E que precisa continuar treinando para que num futuro mais próximo tenha a satisfação de levantar o troféu de campeã da Série outro.

Por que o treino é soberano! E o aprendizado é constante!

Sei que minha Alice ainda não acessa meu blog, mas se um dia ela vier aqui fazer uma visita quero que lembre desse dia e saiba que sinto muito orgulho de todo esforço que você faz e por enfrentar firme todo preconceito, sem sequer pensar em desistir da sua paixão pelo futebol. Te amo filha! Parabéns por + esta conquista…

Deixe um comentário